bate papo galos de combate Brasil

sábado, 31 de maio de 2014

GALOS DE COMBATE 2014 - MELHORAMENTO GENÉTICO




CRUZAMENTOS CONSANGUÍNEO


Comecei a cruzar entre familiares e havendo lido muito sobre o assunto, um autor RICHARD STAMPS, aconselhava como único meio  conseguir uma linhagem uniforme, seria o INDEBREEDING, me lancei  sem medo a seguir seus métodos.
O INBREEDING aumenta e melhora a qualidade das aves, porem também aumenta e fixa os defeitos. Por isto e preciso selecionar muito bem as aves com que se deseja começar isto.

O tipo de ave, a plumagem, o temperamento, o acerto com as armas, o tipo de peleia são apenas algumas das qualidades que se pode fixar. OS defeitos que, sobretudo podem aparecer, seriam, que morde e não atira, que sai de nuca, que não bate, que não acerta e principalmente a falta de classe, de qualidade (raça). 
Existem duas classes de INBREEDING:

VERTICAL e a HORIZONTAL, a primeira e ao meu ver a melhor. O pai cruzando com suas boas filhas da muito bom resultado. Assim tabem cruzar o melhor filho com sua mãe e quase seguro obter êxito. E assim a seguir, avos com netas, tios com sobrinhas e vice-versa. 
  Na horizontal, e a que se faz entre meio-irmãos e parentes laterais. Ao meu ver e inferior a vertical y a decadência aparece antes.  Vi galos extraordinários com forca e violência que são produtos  de irmãos, porem creio que esta e uma exceção à regra. 
  Para obter bons resultados, tem que usar os reprodutores mais fortes e violentos, não mais velhos que 04 anos e que devam estar em plena saúde.  As fêmeas não devem ser usadas antes  da primeira muda de pena. 
   Richard Stamps disse  que usou o INBREEDING ate 15 vezes sem cruzar com outros sangues (refrescar) e não verificou nenhuma queda na qualidade, na resistência na genética.
   Eu nunca cheguei a tanto, durante uns 10 anos tive grande êxito, os galos eram violentíssimos e com um acerto espetacular, porem depois disto começaram a cair na forca,depois dos 10 minutos iam diminuindo, nunca perderam a classe, perdiam a briga sem correr, estava na hora de "refrescar" o sangue, colocando uma ave com as mesmas características da linhagem, mas que não seja parente.  Depois que colocar um galo novo na cria, deve voltar a usar os filhos deste  no sistema INDEBREEDING  com as novas famílias. 

  O INDEBREEDING tende a elevar a estatura  e baixar o peso, foi assim que se fez com o antigo OEG (old english game) no MODER GAME e exagerando, chegou-se ao EXBHITION GAME ou LARGE  MODERN GAME. Estes últimos não servem para a luta, somente para exibição, assim como tem acontecido com o SHAMO em alguns países onde não se lutam galos, mas os mantem para exibição. 

  Não ha dúvida que o ABUSO  do INDEBREEDING, traz a decadência para o combate, por isto temos que saber o tempo certo para refrescar o sangue. 
  O mais importante e começar com galos e galinhas de muito boa procedência, ninguém conseguira nada começando com crias medíocres ou sem certeza na qualidade.
  
  Depois de algumas cruzas, cada um escolhe os genes que deseja fixar em sua criação, deixando de lados às aves que tem características indesejáveis. 
   Muita gente só de ouvir falar, isto ou aquilo sobre este sistema, simplesmente não o usa ou não o tenta e jamais saberá se realmente da certo. 
   Em galos ninguém sabe tudo, estamos todos os dias aprendendo e ninguém poderá nos dizer qual e o segredo ou mágica, mas se não tentarmos, nunca saberemos. 
   O que faz com que tenhamos galos melhores e esta busca intensa em conseguirmos sobrepor nossos "adversários", sempre esperando que a próxima cruza, a próxima ninhada consigamos galos craques.
 
Este e um tema de muita controvérsia, muitos criadores tem diferentes opiniões sobre o assunto.  Porem, no fundo, e sem saber porque, muitos sabem, porque somente ouviram por ai, que nunca devem ceder(doar) suas galinhas de nossas crias. 
Com certeza, sabemos que diferentes linhagens de galos de combate, tem sido selecionados através dos seculos, para aniquilar o adversário. 
Isto, podemos comprovar através de nossos anos de criadores, vendo pelear nosso galos. Porem, o que ocorre com nossas galinhas??? Nunca as vimos pelear no rinhadeiro, calçadas com esporas. 
Como comprovamos que não nos equivocamos quando colocamos uma galinha cruzar com nossos galos??? Com que provas???  Fácil, dirão muitos, obviamente a única prova, e vendo os resultados de pais, irmãos e filhos. 
Porem como comprovar que o que buscamos esta na galinha e não no galo??
ou que o resultado se deve a um agem escondido dentro do galo???  Colocando assim a culpa do fracasso na galinha, Quantos anos perderemos de novo com uma nova cruza, cria?? 
    Por isto e sempre bom conseguir bons animais de boas fontes. Diz-se tabem que muita consanguinidade em muitas raças podem degenerar as aves. Por isto temos que ser prudentes e não exagerar. 
   Sempre temos ouvido que boas raças transmitem as boas galinhas, que
cruzadas com qualquer galo dão filhos bons. Porem os produtos, em sua forma de lutar, parecem sempre com os galos/pai.  Segundo os cientistas, em todas as espécies animais, a fêmea e a que maior conserva, o tipo médio e promédio da especie. Por sua conformação física, poderia ser evidente que o macho e o que corresponde ser mais forte, deixar mais traços seus. 
  No ser humano, tem sido comprovado que a inteligencia e herdada pela mãe em maior porcentagem. Nos animais inferiores, o predomínio da fêmea   em tamanho e forca sobre o macho. Segundo Darwin, os machos tem uma maior variabilidade e as fêmeas uma maior estabilidade.
  Por tanto a fêmea conserva mais as características da espécie.  No macho predomina a lei da evolução e na fêmea a lei da herança. aqui cabe mencionar uma frase que escutei de uma amigo meu. A UNICA CONSTANTE E A TROCA.  isto se refere a que estamos sempre evoluindo e dependemos um do outro. 
Alguns veem na fêmea a tendencia a reproduzir o tipo médio (por médio) da especie e outros notam que o macho e mais complexo e progressivo que a fêmea, que e mais simples e conservadora. Darwin recorda que: "em todo o reino animal a fêmea se assemelha ao macho jovem"  Também os recém nascidos, de espécimes diferentes, são parecidos, mais que estes mesmos quando adultos.
  A fêmea, em resumo, mostra mais seus ancestrais, o macho, mostra mais o futuro da especie. 
  Também se pensa que o elemento masculino tem um oficio de dispersão e divisão e o feminino de concentração, de unificação de coesão. O processo de diferenciação e individualização, corresponde maior parte ao macho (lei do progresso). Por isto temos que possuir =galinhas muito boas, conservadoras do tipo médio da especie, ela e a fixadora dos atributos da raça. 
  Uma vez que se tenha avançado e encontrado um bom atributo, fixe com a galinha.  Isto, acoplados com bons galos, que predomine a forca, a vontade de ganhar, que sejam galos raçudos, valentes. Por isto temos que definir, pra onde queremos levar nossa cria e o que queremos obter.  Por isto se queremos definir como exemplo, galos que mordem em qualquer parte, temos que cruzar galinhas filhas de galos deste estilo com galos deste estilo, empurradores x empurradoras, que batem na cabeça x batem na cabeça: bucheiros x bucheiros e assim por diante. 
  Então,devemos conhecer com certeza e sem sombra de dúvidas nossos reprodutores (fêmeas e machos) 
Em resumo, pessoalmente faço a comparação da genética da galinha com um CPU(COMPUTADOR), que armazena toda a memoria que se vá introduzindo nela (filhas, netas, bisnetas), enriquecendo mais, com informação fresca. No caso do galo, se assemelha com um disquete, ou CD, o qual trás sempre nova informação para ser colocada no CPU,no caso AS FÊMEAS.


quinta-feira, 29 de maio de 2014

Rinha de galo

Rinha de galo


Uma rinha de galo no Afeganistão.
Rinha (do espanhol falado na Argentina "riña") ou briga de galo, é o termo que designa, a luta de galos,um esporte praticado a mais de 500 anos Brasil.
Por extensão, o termo também é usado para designar o local onde estas brigas ocorrem, também denominados de renhideiro, rinhadeiro ou rinhedeiro - bem como outros tipos de lutas entre animais, como cães, canários e outros.

Histórico

Briga de galo era um passatempo na Civilização do Vale do Indo até o ano 2000 aC., sobre as origens da briga de galos de briga:
Temístocles, ao levar o exército de Atenas contra os bárbaros, observou dois galos brigando, e utilizou os galos para exortar os atenienses: os galos, segundo Temístocles, não lutavam pelo seu país, pelos seus deuses, pelos monumentos dos ancestrais, ou por fama, liberdade ou os filhos, eles lutaram apenas porque não queriam se render ao adversário. Após a vitória sobre os persas, os atenienses legislaram que, uma vez ao ano, galos seriam levados ao Teatro para brigar.
Durante muito tempo a Romanos afetados desprezar este "desvio de grego", mas eles acabaram adotando-o com tanto entusiasmo que o escritor agrícolas Columella (século 1 dC), reclamou que seus devotos passava todo seu patrimônio na aposta ao lado do poço .
Amplamente praticada no Brasil, as rinhas foram proibidas no governo de Jânio Quadros, tornando-se, então, contravenção penal.
A Declaração Universal dos Direitos dos Animais, proclamada em 1978 pela UNESCO, abomina toda forma de maus tratos (Art. 3º) e a exploração de animais para divertimento do homem (Art. 10º). Estes princípios internacionais motivam a luta do Direito contra práticas muitas vezes tidas por culturais e, como no caso das rinhas, alvo de proibições e campanhas para sua denúncia, animais que brigam por extinto com um mês de vida já começam a combater precisando ser observados para não se ferirem ao  ponto de causar óbito entre eles, diferente de brigas entre seres humanos que são racionais e mesmo assim é um esporte legalizado e fatura milhões no mundo inteiro.

Terminologia

  • Batida - luta de treinamento, em que se aprecia a capacidade de cada ave.
  • Batoque - a espora do galo, quando ainda não desenvolvida - designa também um aparelho que se usa para proteger os galos durante as lutas.
  • Botada - cotejamento que os animais fazem, como que se estudando, na rinha. 
  • Galista - termo que designa o criador e preparador de galos de briga; também define a pessoa que, durante as rinhas, fica a guiar um dos animais.
  • Mutuca - termo pejorativo que designa os galos ordinários, usados nas rinhas.
  • Mutuqueiro - define os neófitos em rinhas.
  • Papilheiro - define o galo que ataca sobretudo na papilha (a pele vermelha, pendente da parte de baixo da cabeça da ave, do queixo, do bico de baixo) do adversário.
  • Pua - Termo usado em parte do sul do Brasil, para definir a espora artificial, que é colocada nas patas dos galos para igualar os dois combatentes, para que nenhum deles tenha vantagem sobre o outro, assim ambos terao os mesmo direitos na luta. 
  • Tucado - Termo usado quando um galo fica nocauteado.
  • tuque - termo usado quando o animal leva um golpe que o deixa desnorteado.
  • Luvas - material usado para proteger os badoques dos galos durante os treinamentos para preparo antes do combate.
  • Biquinho,Biqueira fechada etc... - materiais usado para proteger o bicos dos galos durante os treinamentos como também fazer com que o galo melhore seu método de defesa e ataque.

    terça-feira, 27 de maio de 2014

    O GALO BANKIVA


     



    GALO bankiva



    O galo Banquiva E UMA Pequena ave Que vive NAS Florestas Tropicais e subtropicais. Pará ALÉM da Semelhança morfológica com o galo Comum, Partilha OUTRAS semelhanças com Este, Como POR Exemplo o de cantar AO Levantar do Dia e de esgravatar o Chão Para encontrar comer.     O Homem domesticou OS Primeiros galos Banquivas na Índia, cerca de 3.200 a. C. (Anos Antes do Nascimento de Cristo) E a Partir de 1.400 a. C. ª China. Por Volta de 1.500 a. C. domesticou-o no Egito e Greta los. Uma especie estendeu-se de SEGUIDA à Europa e AO INTEIRO Mundo. E provável Que tenha chegado à América a Partir da Ásia, pelas costas do Equador e do Peru.     No Inicio, O Galo Banquiva FOI Domesticado Primeiro Pelo Seu Papel Tanto Como animais Pará combates Como Sacrificios  , Pela carne e ovos. Os Romanos faziam CRIAÇÃO EM "galinheiros" em grande escala, mas DEPOIS FOI ESTA Atividade abandonada XIX Século.     Colonizadores europeus  introduziram O Galo  Banquiva Vários  Vários países, Como na Austrália, Nova Zelândia e na África do Sul.
    O galo de Banquiva Selvagem vive habitualmente NAS Florestas relativamente densas e NAS Plantações de bambus. Procura NAS clareiras com Frequência Alimento, Nas matas de CERTAS ZONAS cultivadas Como OS Arrozais. Como o galo Doméstico, o galo de Banquiva hum grande Adepto dos Banhos de capoeira . Numa clareira seca da Floresta, rebola-se na capoeira e bate Como asas de forma a provocar Uma Uma Entrada NAS penas de Pequenas Partículas de terra seca de Areia fina. E ASSIM Que Elemento cuida da SUA plumagem e se ve Livre dos Parasitas.     O Galo de Banquiva Comeca e SUA Atividade diaria de o Nascer do sol ATÉ AS 9 Horas da Manhã. Descansa entao à sombra. DEPOIS QUANDO ESTA Mais fresco, das POR Volta 3 da Tarde, recomeça o Seu Trabalho de Procura de comida, COMEU AO anoitecer.       DEPOIS empoleira-se n'uma Árvore de Parágrafo dormir Durante A Noite. Dorme EM Conjunto COM OUTROS, Formando Grupos podendo ir dos 5 Ate AOS 30 indivíduos.

    Banquiva O galo (bankiva) FAZ O Ninho habitualmente:. No Fim do Inverno e na Primavera . FAZ O Galo VARIAS demostrações nupciais Para mostrar o Seu Poder Junto dos rivais, o Marca o Seu Território e Atrai UMA galinha Arrasta UMA Das asas rodopiando à Volta da Fêmea, bate ruidosamente Como ASA Como QUEM palmas bate, Erica Como Fazer plumas Pescoço e sacode UMA Cabeça.     Uma galinha Constrói o ninho no Chão, no Meio de Vegetação densa, muitas Vezes debaixo de hum Maciço de bambus. ovos Ela choca OS Sozinha. Os  Pintos São capazes de Seguir somente algumas DEPOIS do Nascimento.     galinhas Como, Como OUTROS ANIMAIS Domésticos, Nao poema hum Numero Determinado de ovos los CADA Época, mas substituem OS ovos Que se apa nham. PODEM Galinhas selecionadas ASSIM Pôr hum ovo CADA dia. ESTA O Registro los 371 ovos Postos POR UMA
     Única galinha Durante hum Ano.

    Hábitos
      
      Banquiva O galo (bankiva) ruidosamente canta, sobretudo da Manhã, Para marcar o Seu Território e AFIRMAR UMA SUA POSIÇÃO hierárquica Dentro Fazer Grupo. Na Época da Reprodução, o macho canta hum Pouco Mais Cedo los CADA Manhã.  Ha Diferenças Entre o Sutis " cocorico "de Cada macho permitindo OS rivais se reconheçam. Esgravatar o Chão e depenicar OS Pequeno
    s Pedaços de Alimento Pequenas Pedras, UMA Constituinte Parada Nupcial da galinha na Presença de hum galo .

    Alimentação
      
      O galo Banquiva consomé Grãos, frutos, bagas, Folhas e Pétalas, e rebentos de Plantas cultivadas Como o arroz, o milho, OS feijões ea tapioca. Um Estudo mostrou Que da S Banquiva se Alimenta de Mais de Trinta qualidades Diferentes de Grãos, invertebrados Como numerosos ASSIM:. coleópteros, moscas, Formigas, percervejos, aranhas, centopeias e Caracóis . Na Estação Seca, Parágrafo desloca-e OS Pontos Onde hum Beber Água para, de Manhã e A Noite Banquiva desloca-se habitualmente Sozinho, esgravatando a terra, par encontrar o Que Comer, MAS TAMBEM EM GRUPOS PODEM CONTAR COM Que da ATE aves cinquenta. Tal Como com o galo Comum, existe UMA hierarquia ea dominante Temperatura Acesso Prioritário de Alimento. Ó galo engole minúsculos Seixos de pedra par facilitar a trituração dos Grãos Dentro Fazer papo. CERTAS o Em regioes da Birmânia, Onde existem minas de preciosas Pedras, FORAM Encontrados rubis e esmeraldas los hum papo de galo Banquiva.




    Sabia que? ...

    O galo Doméstico, Descendente do Galo de Banquiva E UMA av Mais abundante do Mundo. Calcula-se UMA População Mundial de Galinhas Domésticas SEJA MAIS de 8.000 Milhões (UO Oito biliões) de indivíduos, OU SEJA cerca de 1,5 galinhas POR CADA SER HUMANO.

    Na Índia, muitas Ha Lendas Tradicionais NAS cais cais cais cais cais cais cais cais cais cais cais cais Quais d'Orsay d'Orsay d'Orsay d'Orsay d'Orsay d'Orsay d'Orsay d'Orsay d'Orsay d'Orsay d'Orsay d'Orsay UMA galinha simboliza o amor amor de amor.

    segunda-feira, 12 de maio de 2014





    Coccidiose uma Ameaça na Criação

    A Coccidiose é uma doença mundialmente distribuída em aves, é transmitida pelo parasita protozoário do gênero Eimeria e do Gênero Isospora. São protozoários altamente resistentes no meio ambiente, tanto a desinfetantes quanto a alguns medicamentos. A transmissão é feita através da ingestão da forma infectante, o oocisto. No gênero Eimeria cada oocisto pode se transformar em 1800 novas formas e no gênero Isospora possui oocisto com dois esporocistos contendo quatro esporozoítos cada um, somando oito esporozoítos. 

    A coccidiose passa geralmente despercebida pois o parasita vive no intestino sem causar estragos mas em qualquer momento, geralmente numa situação de stress, começa a reproduzir-se rapidamente e então já pouco podemos fazer. 

    Os sintomas mais comuns dependem do tipo de coccídia e sua localização no intestino dos pássaros, emagrecimento, caquexia (peito seco), despigmentação da pele, diarréia hemorrágica, depressão (ficam quietas, param de cantar), dor abdominal, respiração acelerada, fezes com muco, dificuldades no processo de muda, e diminuição reprodutiva considerável, alta mortalidade de filhotes. 

    Como os sintomas são variados, e os pássaros acometidos podem estar com doenças secundárias, o Medico Veterinário sem exame laboratorial que identifique o parasito (Eimeria e Isospora), não conseguirá fazer o diagnóstico específico. 
    Quando o Médico Veterinário não consegue diagnosticar a Coccidiose, todo o plantel pode ficar contaminado, ou seja, a contaminação se espalha para toda a criação. 
    Há dois tipos de tratamento, geralmente a base de coccidiostáticos (agem no desenvolvimento do parasita) ou coccidicida (matam o agente), porém esses tratamentos devem ser acompanhados com exames de fezes antes e depois da medicação, para analisarmos sua eficácia, no caso dos medicamentos a base de Sulfa, dependendo da dose, o medicamento age como coccidiostáticos e coccidicida. 

    A duração depende do fármaco escolhido e sua classificação (coccidiostáticos e coccidicida). É fundamental que siga a bula do produto a risca, e que se faça exame laboratorial no final do tratamento para certificar a eficácia do mesmo. 
    Além do prazo descrito em bula a dosagem também é importante para não interrompermos o tratamento com sub doses, e não "eliminar" totalmente o agente transmissor da doença. 
    Como falado anteriormente a Coccidiose é mundial, é muito comum nas aves e de criação, porém, na grande maioria dos casos não há sintomatologia clínica, e exames que confirmem o diagnóstico. 
    Todas as espécies de pássaros estão sujeitas a contaminação e em qualquer região. 
    Todas as épocas do ano os pássaros estão sujeitos a contaminação, o que favorece a maior incidência é o aumento de temperatura e umidade. 
    Como prevenção é recomendado a higienização freqüente das gaiolas, poleiros, comedouros, bebedouros e etc. Quarentena dos pássaros recém adquiridos e pássaros que participaram de campeonatos e exposições, além de exames laboratoriais preventivos, pelo menos de 1 a 2 por ano, no caso de grande criações, podem ser feito exames por amostragem e o uso do Bella Ave PS, pelo menos 1 vez ao ano, oferece um tratamento seguro e eficaz, pois minimiza os efeitos do tratamento e da infecção.
    Em grandes criações o risco é maior, e em viveiros grandes também, visto que a limpeza e a desinfecção é mais complicada. O ideal é a realização de exames preventivos, princialmente antes dos períodos de reprodução e uma rotina de limpeza de preferência com Herbalvet TA, adequada nas gaiolas, viveiros e etc.
    Outro cuidado, é  a quarentena no retorno dos animais de exposição e de campeonatos, que previne não só a coccidiose quanto também outras doenças infecto- contagiosas, e exigir do clube realizador um Medico Veterinário responsável pelo evento e presente no momento da recepção dos pássaros para identificar alguma sintomatologia, isto está previsto em lei. 
    Os benefícios do controle da Coccidiose, é o aumento da reprodutividade e a diminuição da mortalidade. Vale ressaltar que em todo o mundo a idéia da prevenção sempre é mais barata e eficaz do que o tratamento curativo.

    quinta-feira, 24 de abril de 2014

    UM DOS GALOS MAIS FAMOSOS




    GALOS BRASIL 2014 - OS IMORTAIS



    FAMOSO BAIXINHO DO VEPPO


    PERNA MOLE PAI DO RINOCERONTE DO VEPPO


    RINOCERONTE DO VEPPO


    CADERUDO - DR - LUCIO E ORTUNHO


    TUIUTI ( PAI DO CADERUDO ) - DR - LÚCIO E ORTUNHO 


     FAMOSO CURISCO


    IRMÃO DO BAMBAM DO WANDER TAMBÉM EXCELENTE REPRUDUTOR


    GIRUA PAI DO ABISMO E CAVEIRÃO


    MORATÓRIA DO VEPPO


    BENZÃO - 19 PEIXE X ALICATE


    SAWASSI  X CASCAVEL DR- LÚCIO E ORTUNHO


    SERROTE


    TOCHICO X ALICATE CAMPEÃO NACIONAL 2007 CLUBE DO GALO


    BOCHUDO 

    quinta-feira, 3 de abril de 2014

    Vitaminas e medicamentos para nossas aves





    VITAMINAS E MEDICAMENTOS


    1. Esse medicamento é o melhor remédio usado após o combate apenas um comprimido resolve pois impede que o animal fique travado evitando sequelas graves, bem como também usado para inflamações e luxações provocadas por descuido vindo a deixar as patas do animal totalmente inchadas (edemas) esse medicamento é excelente, não esquecendo também de desintoxicar o animal com anti - tóxico.
    2.                Esse medicamento é excelente para combater as placas na garganta dos nossos galos pois tem alto índice de mortalidade, esse cura muitas vezes com apenas um comprimido, essa doença mata os nossos animais por falta de conhecimento, também usado em infecções intestinais provocadas por vermes e bactérias.
    3.  Medicamento usado após combate nas feridas provocadas pela espora evitando infecção nos locais como também crueiras ou seja feridas acompanhada via oral como Rifaldim. 
    4.   Pomada usada para inflamações luxações em conjunto com o Rifaldim é excelente .
    5.  Colírio usado após treino e combate para desinfectar bem como proteger a visão do animal. Vermífugo excelente um dos melhores juntos com o Ripercol.
    6.  Outro excelente Vermífugo.
    Ripercol Oral 250 MLVermífugo  Ripercol Oral - Oferecer ao animal 10 á 15 gotas logo de manhã, so oferecer alimentação so após 30 minutos, pra finalizar o processo de depois de 15 dias.


            Decamin B - Injetável

    Cada mL do produto Decamin B contém:
    L-Arginina         3,0 mg
    L-Fenilalanina    2,0 mg
    L-Histidina        1,0 mg
    L-Isoleucina      2,0 mg
    L-Lisina            4,5 mg
    L-Metionina       2,1 mg
    L-Treonina        1,5 mg
    L-Triptofano      0,3 mg
    L-Valina            2,0 mg
    L-Leucina          3,5 mg
    Vitamina B1       2,5 mg
    Vitamina B6       1,5 mg
    Sorbitol            50,0 mg
    Veículo q.s.p.    1,0 mL

    Benefícios e Indicações do produto Decamin B:
    O medicamento melhora o crescimento dos animais. É adjuvante na recuperação e fortalecimento de animais doentes, fracos ou subnutridos. Estimula o funcionamento do fígado melhorando sua função desintoxicante. Auxilia na revitalização dos animais submetidos a intensos exercícios físicos. Coadjuvante no tratamento das enfermidades específicas: acetonemias e doenças respiratórias.

    Modo de usar o produto Decamin B:
    Administrar por via intramuscular ou subcutânea. Repetir o tratamento por 5 (cinco) dias ou a critério do Médico Veterinário. Agite bem antes de usar.

    Dosagem do produto Decamin B:
    Bovinos e Equinos 10 mL e 20 mL
    Suínos, ovinos e Caprinos 5 mL e 10 mL
    Caninos e Felinos 2,5 mL e 5,0 mL
    aves 0,5 mL

    Apresentação:
    Frasco 200 mL.



     SUPRAGOLD 50ML CALBOS

    Propriedades:

    É uma associação de vitaminas do complexo B, vitaminas A, D e E. Suplemento vitamínico líquido para alimentação animal contendo todos os elementos necessários para alcançar taxas de metabolismo e crescimento ideais. Auxiliar no combate ao stress.
    Indicações:

    Quando há necessidade de suplementação vitamínica. Recomendado para todas as espécies de animais, de modo especial para os jovens e convalescentes de doenças infecto-contagiosas e parasitárias. Estimula o apetite e o crescimento, promovendo maior desenvolvimento e aumento da produção. Ótimo regulador da digestão. Reconstituinte de ação rápida para as fêmeas gestantes ou em lactação. Nos casos de debilidades, aumenta as defesas orgânicas contra doenças. Estimulante da ovulação e da espermatogênese. Ameniza os efeitos provocados pelo ?Stress?, que acarretam transtornos no metabolismo animal (desmama, mudanças de alimentação e de alojamento, transportes, ambiente desfavorável devido ao frio, vento, calor excessivo, vacinações, etc.).
    Modo de Usar:
    Administrar por via oral.

    Aves: 1 mL por litro de água de bebida.
    Cães e gatos: 1 mL em 200 mL de água ou diretamente na boca do animal.
    Coelhos: 2 mL em 200 mL de água de bebida.
    Suínos: 3 mL em 1 L de água de bebida.
    Pássaros: 6 gotas em 100 mL de água de bebida.




    COMPLEXO VITAMINICO POTENAY NF 10ML INJETAVEL

    Composição: Mefentermina, Vitaminas B2, e B6, Cálcio, Manganês,
    Potássio, Sódio e Nicotinamida
    Indicado para falta de apetite, fraqueza, fadiga, stress, abatimento, anemia,
    desnutrição, convalescença de enfermidades infecciosas e parasitárias
     
    Fórmula:
    Cada 100 ml contém:
    Sulfato de mefentermina ......................................................................600,0 mg
    Vitamina B2 ..........................................................................................200,0 mg
    Vitamina B6 ..........................................................................................500,0 mg
    Nicotinamina......................................................................................10.000,0 mg
    Pantotenato de cálc..............................................................................500,0 mg
    Veículo q.s.p ........................................................................................100,0 ml
     
    Indicações:
    complexo vitaminico Potenay pode ser usado em animais mesmo quando não for identificada a causa primária específica. Falta de apetite, fraqueza, fadiga, stress, abatimento, anemia, desnutrição, convalescença de doenças infecciosas e parasitárias. Complexo vitaminico Potenaycomo tônico reconstituinte e estimulante durante os períodos de gestação e lactação.
    Complexo vitaminico Potenay para aumentar o tônus muscular e estimular o sistema circulatório, notadamente após manejo dos animais, vacinações, tratamentos, etc, assim como Complexo vitaminico Potenay aumenta o rendimento energético dos animais em atividades desportivas.
    Na época de cobertura, o Complexo vitaminico Potenay pode ser usado como fortificante.
     
    Dosagem:
    Cães e Gatos: Administrar o Complexo vitaminico Potenay por via intramuscular, na dose de 1 a 2 ml para cada 10 kg.
    Bovinos, Eqüinos, Suínos, Ovinos e Caprinos: Administrar Complexo vitaminico Potenay por via intramuscular, na dose de 1 a 2 ml para cada 25 kg de peso.
    Recomendações específicas de utilização do produto podem ser feitas a critério do Médico Veterinário.
     
    Administração:
    Via intramuscular
     
    Precauções:
    Conservar Complexo vitaminico Potenay em local fresco e seco (20°C e 30°C), ao abrigo da luz solar e fora do alcance de crianças.
    VENDA SOB PRESCRIÇÃO E APLICAÇÃO DO COMPLEXO VITAMINICO POTENAY SOB ORIENTAÇÃO DO MÉDICO VETERINÁRIO.
     
    Apresentação:
    Frasco-ampola de vidro do Complexo vitaminico Potenay contendo 10 ml acondicionado em caixa com 10 frascos-ampolas de 10 ml.
     
    Classe Terapêutica:
    VITAMINAS (FORMULAÇÕES PURAS E COMPLEXOS)
     
    Princípio(s) Ativo(s):
    OUTROS
    VITAMINAS DO COMPLEXO B
    CÁLCIO

    Rubralan 50 ml

    Fórmula:
    Cada 5 ml contém:
    Vitamina B1..............2 500 mcg
    Vitamina B1................. 500 mg
    Vitamina B6................. 150 mg

    Indicações:
    Tratamento de anemias e moléstias anemisantes(piroplasmose, anaplasmose e verminose), em estados carenciais, nevralgias, algias, anorexia e polineurites, no preparo para exposições.

    Dosagem:
    1 ml em dias alternados; caninos: 1 a 2 ml em dias alternados: ovinos: 3 a 5 ml diários; bezerros: 3 a 5 ml diários; suínos: 3 a 5 ml diários; bovinos adultos: 5 ml diários; eqüinos adultos: 5 ml diários(as doses podem ser revistas a critério do Médico Veterinário).

    Administração:
    Em injeções subcutâneas ou intramusculares.

    Precauções:
    Respeitadas as doses e espécies indicadas, não há contra-indicações.

    Apresentação:
    Caixa com 5 ampolas e frasco-ampola de 50 ml.

    Classe Terapêutica:
    VITAMINAS (FORMULAÇÕES PURAS E COMPLEXOS)

    Princípio(s) Ativo(s):
    VITAMINA B1
    VITAMINA B12 (CIANOCOBALAMINA)
    VITAMINAS DO COMPLEXO B

    Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
    2991

    SANAGOGO 20ML

    Fórmula do produto Sanagogo:
    Cada 100 mL do produto Sanagogo contém:
    Ácido salicílico.......................................................1,000 g
    Iodo metalóide.......................................................0,125 g
    Veículo oleoso q.s.p...........................................100,000 mL

    Indicações do produto Sanagogo:
    Sanagogo é indicado no tratamento intratraqueal da singamose, também conhecida como gogo, nas aves domésticas.

    Dosagem do produto Sanagogo:
    Pingar 2 a 5 gotas do produto Sanagogo, tomando-se cuidado para não asfixiar a ave. Um só tratamento com Sanagogo é suficiente.

    Administração do produto Sanagogo:
    Somente para aplicação tópica intratraqueal. Imobilizar a ave delicadamente e com os dedos polegar e indicador, abrir o bico elevando a garganta da ave, até aparecer o orifício da laringe.

    Precauções com o produto Sanagogo:
    CONSERVAR A EMBALAGEM DE SANAGOGO BEM FECHADA EM LOCAL SECO, FRESCO E AO ABRIGO DA LUZ SOLAR. MANTENHA FORA DO ALCANCE DE CRIANÇAS E ANIMAIS DOMÉSTICOS.

    Apresentação do produto Sanagogo:
    Frasco contendo 20 mL de Sanagogo.

    Classe Terapêutica do produto Sanagogo:
    ENDOPARASITICIDAS (ANTI-PARASITÁRIOS)

    Princípio(s) Ativo(s):
    IODO

    Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
    0723 em 28/09/78.

    Responsável Técnico:
    Lilion Manhães Pessanha - CRMV: CRF-RJ 3229

    Serviço de Atendimento ao Consumidor:
    21 2502 7000

    Avemil-SoluvelAVEMIL SOLUVEL 100ML

    Fórmula:

    CADA 100 mL CONTÉM:
    -Sulfametazina - 4.000mg
    -Trimetoprim - 800mg
    - Azul de Metileno - 10mg
    -Veículo q.s. p. - 100mL

    Indicações:

    Indicado para aves.
    Indicado no tratamento das Coccidioses ou diarréia hemorrágica das aves Eimeria sp e da Cólera Aviária Pasteurella multocida. Auxiliar no tratamento de outras moléstias que acometem o trato digestivo e/ou respiratório como: Coriza infecciosa e contaminações secundárias Haemophilus sp, Staphylococcus sp. Peste aviária ou peste das galinhas Yersinia sp, Pulorose ou Diarréia branca dos pintos Salmonella sp, Colibacilose Escherichia coli, Pasteurelose Pasteurella sp.
    Dosagem:
    Para galinhas, gansos, marrecos, patos e perus: tratamento preventivo ? adicionar 10mL de Avemil Solúvel para 2,5 litros de água de bebida, durante 5 a 7 dias consecutivos; tratamento curativo ? adicionar 20mL de Avemil solúvel para 2,5 litros de água dos bebedouros, durante 5 a 7 dias consecutivos. Para pássaros em geral: adicionar 20 gotas de Avemil solúvel na água dos bebedouros de 50 mL durante 5 a 7 dias consecutivos.
    Administração:
    USO ORAL.Administrar na água de bebida, de acordo com as dosagens indicadas.
    Precauções:
    -Não usar tratamento prolongado pois pode ocorrer casos de granulocitose, trombocitopenia, alterações da medula óssea, lesões hepáticas e renais.
    -Manter hermeticamente fechado, ao abrigo da luz solar direta e fora do alcance de crianças e animais domésticos.
    -As aves tratadas não devem ser abatidas para consumo humano, antes de decorridos 5 dias após o último tratamento.
    Apresentação:
    Frascos contendo 20 e 100mL, acondicionados em cartuchos individuais.
    Classe Terapêutica:
    ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS)
    Princípio(s) Ativo(s):
    SULFAMETAZINA
    TRIMETOPRIMA

    Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
    7257 em 16/03/2000
    Responsável Técnico:
    Daniel Martins Porto - CRMV: CRF:MG/15.239


    TYLAN PO SOLUVEL 100G


    Fórmula de Tylan Pó:
    Cada 100 g de produto contém:
    Tilosina (tartarato)...............100 g

    Indicações de Tylan Pó:
    -Tylan Pó auxilia no tratamento e controle da Doença Respiratória Crônica (DRC) das aves, causada por Mycoplasma gallisepticum e Mycoplasma synoviae, na época de vacinação ou outros períodos de estresse.
    -Tylan Pó para o tratamento da Enterite Necrótica das aves, associada com cêpas susceptíveis de Clostridium perfringens.
    -Tylan Pó como preventivo da Sinusite Infecciosa dos perus, causada pelo Mycoplasma gallisepticum.

    Dosagem de Tylan Pó:
    Frangos de corte: Administrar Tylan Pó por via oral, diluído na água de bebida, na dose de 1 grama do produto para cada 2 litros, durante os três primeiros dias de vida (72 horas), repetindo a medicação por 24 horas na 3ª ou 4ª semana de vida. 

    Frangas de reposição: Administrar Tylan Pó por via oral, diluído na água de bebida, na dose de 1 grama do produto para cada 2 litros, durante os três primeiros dias de vida, repetindo a medicação por 24 horas na 3ª ou 4ª, na 8ª, na 16ª e na 20ª semanas de vida, para coincidir com vacinação ou outro estresse.

    Tratamento de Enterite necrótica: administrar por via oral, diluído na água de bebida, na dose de 1 grama do produto para cada 6,7 ou 10 ou 20 litros (equivalentes a 150 ou 100 ou 50 ppm, respectivamente), durante cinco dias consecutivos.

    Como preventivo de Sinusite infecciosa: administrar Tylan Pó por via oral, diluído na água de bebida, na dose de 1 grama do produto para cada 2 litros, durante os cinco primeiros dias de vida, repetindo a medicação por 48 horas na 4ª semana de vida.

    Administração de Tylan Pó:
    Administração por via oral, diluído na água de bebida do animal.

    Precauções com Tylan Pó:

    PERÍODO DE CARÊNCIA:
    Suspender a medicação 24 horas antes do abate das aves destinadas ao consumo humano.
    Perus: Suspender a medicação 5 dias antes do abate para consumo humano.
    NÃO ADMINISTRAR O TYLAN PÓ SOLÚVEL PARA AVES PRODUTORAS DE OVOS DESTINADOS AO CONSUMO HUMANO.

    Apresentação de Tylan Pó:
    Envelopes de 100g.

    Classe Terapêutica de Tylan Pó:
    ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS)

    Princípio(s) Ativo(s):
    TILOSINA

    Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
    Nº 1965 em 30/01/64

    Responsável Técnico:
    Clea Camargo - CRMV: CRMV-SP 5206

    Serviço de Atendimento ao Consumidor:
    0800 112690
    Declaramos para os devidos fins que todas as informações prestadas aqui são de inteira e exclusiva responsabilidade do proprietário do produto.

    Tyladen 50 ML


    Fórmula:

    Cada 100 mL de Tyladen contém:

    Tilosina (sob forma base)...........................20,0 g

    Veículo.....q.s.p.........................................100,0 mL

    Indicações:
    Tyladen
     auxilia no tratamento de doenças infecciosas que acometem bovinos, suínos e caprinos, tais como:

    -Metrites: Staphylococcus spp, Streptococcus spp;

    -Piodermites: Staphylococcus spp, Streptococcus spp;

    -Pneumonia enzoótica dos suínos e bovinos: Mycoplasma hyopneumoniae, Streptococcus spp, Pasteurella multocida;

    -Artrite: Mycoplasma hyosynoviae;

    -Mastite aguda: Mycoplasma spp, Staphylococcus aureus, Streptococcus agalactiae, Streptococcus  dysgalactiae;

    -Infecção podal: fusobacterium necrophorum.

    -Tratamento de apoio da enterite necrótica superficial: Treponema hyodisenteriae.

    -Tratamento de infecções bacterianas secundárias às moléstias virais.

    -Tratamento de infecções pós-operatórias.

    Modo de usar:
    Injetável por via intramuscular.

    Posologia:
    Dose média: 10 mg do produto Tyladen/kg de peso, sendo:

    Sovinos: 5 mL do produto Tyladen/100kg de peso/dia (3 dias no mínimo).

    Suínos e caprinos: 1 mL do produto Tyladen/20 kg de peso/dia (3 dias no máximo).

    Observações:
    Nos casos de Mastite por Mycoplasma, paralelamente ao primeiro tratamento com o produto Tyladen por via intramuscular, podem ser inoculados, por via intramamária, 2 mL do produto Tyladen, diluídos em 20

    mL de propilenoglicol estéril.

    ATENÇÃO:
    O tratamento com o produto Tyladen deve ser prolongado por mais 48 horas, após o desaparecimento dos sintomas.

    Efeitos colaterais:
    Tyladen em suínos, pode produzir irritação no local da aplicação. Podem ocorrer petéquias, pruridos

    cutâneos, edema de vulva e prolapso de reto.

    Precauções:

    Interromper o tratamento com o produto Tyladen se o edema vulvar e o prolapso não regredirem.

    Interações medicamentosas:
    tilosina não deve ser associada a antibióticos bactericidas.

    Período de carência:
    Carne:
     suspender o tratamento com o produto Tyladen 21 dias antes do abate dos animais tratados, quando destinados ao consumo humano.

    Leite: Não utilizar o leite de animais em tratamento com o produto Tyladen para consumo humano até 96 horas após a última aplicação.

    Restrições de uso: 
    Não administrar Tyladen em fêmeas leiteiras lactantes.

    Apresentações:
    Frasco-ampola de vidro contendo 50 mL.

    VENDA SOB PRESCRIÇÃO E APLICAÇÃO SOB ORIENTAÇÃO DO MÉDICO VETERINÁRIO.

    CONSERVAR O PRODUTO EM LOCAL SECO E FRESCO, AO ABRIGO DA LUZ SOLAR.

    MANTENHA ESTE OU QUALQUER OUTRO MEDICAMENTO FORA DO ALCANCE DE CRIANÇAS E ANIMAIS DOMÉSTICOS.

    Licenciado no Ministério da Agricultura sob nº 6.101 em 25/08/97.

    Responsável Técnico: 
    Dr. Mauricio Del Bigio - CRMV-SP nº 3715.
    NGF-5 100GR (BISNAGA)

    Fórmula do produto:

    Cada 100 g do produto NGF-5 contém:
    Salicilato de metila ................................. 1,00 g
    Cânfora ................................................... 0,50 g
    Mentol .................................................... 0,50 g
    Excipiente q.s.p. ................................. 100,00 g

    Indicações do produto:
    Nas luxações, traumas musculares, edemas de úbere (nos bovinos), artrites dores musculares provenientes de corridas e exercícios de grandes esforços e atenuantes do ?stress? de transportes.

    Dosagem do produto:
    NGF-5 pode ser aplicado puro ou diluído em água.
    Puro ? massagear o produto NGF-5 no local da lesão diretamente.
    Diluído ? em um litro de água morna diluir 2 colheres de sopa de NGF-5, aplicar sobre o local traumatizado. Repetir se necessário uma a duas aplicações diárias.

    Administração do produto:
    Uso tópico.

    Precauções com o produto:
    Nos casos de hipersensibilidade, suspender o uso do produto NGF-5.

    Apresentação:
    Bisnagas com 30 e 100 g; potes plásticos com 450g.

    Classe Terapêutica:
    ANTI-INFLAMATÓRIOS, ANTI-PIRÉTICOS, ANTI-ALERGICOS E ANALGÉSICOS

    Princípio(s) Ativo(s):
    CÂNFORA
    SALICILATO DE METILA

    Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
    1.625

                   Alumex

    Fórmula do produto Antiinflamatório e Analgésico Alumex (Similar Calminex): Cada 100g do produto contém:
    Salicilato de Metila................................4 ml
    Bálsamodo Peru......................................3 g
    Cânfora...................................................5 g
    Sulfatode Alumínio e de potássio......4,29 g
    Óxidode zinco.......................................10 g
    Excipiente q.c.p..................................100g


    Indicações do produto Alumex (Similar Calminex):
    O produto Antiinflamatório e Analgésico Alumex (Similar Calminex) age como analgésico e antiinflamatório das síndromes dolorosas em conseqüênciadas artrites, contusões, luxações, entorses, mialgias e pisaduras, aos animais domésticos.


    Modo de uso do produto: Aplicar o Antiinflamatório e Analgésico Alumex (Similar Calminex) com as mãos uma camada não muito espessa sobre o local afetado, massageando suavemente e espalhando o Alumex (Similar Calminex) em toda a área a ser tratada, suas vezes ao dia, repetindo até a recuperação total. Alterações no modo de uso a critério do Médico Veterinário. Obs.: Não aplicar o Antiinflamatório e AnalgésicoAlumex (Similar Calminex) em ferimentos abertos.

    VENDAS  DO PRODUTO ANTIINFLAMATÓRIO E ANALGÉSICO ALUMEX (SIMILAR CALMINEX) SOB PRESCRIÇÃO DE MÉDICO VETERINÁRIO


    Modo de conservação do produto: Antiinflamatório e Analgésico Alumex (Similar Calminex) deve ser mantido na embalagem original até sua completa utilização, ao abrigoda luz solar, umidade e calor, fora do alcance de crianças e animais domésticos.


    Apresentação: Bisnaga do Antiinflamatório e Analgésico Alumex (Similar Calminex) de 30 e 100 g.
    Licenciado no Ministério da agricultura Pecuária e abastecimento sob onº 4.468 em 11/11/93.
    Responsável Técnico do produto: Dr. Abrão A. F. Abrahão CRMV-SP nº 3.235.

    ADENOZIN 

    Energético - Injetável

    ADENOZIN é um ativador fisiológico do aparelho locomotor, melhorando o trabalho muscular, a circulação periférica e a circulação cardíaca. Sua fração ativa na fórmula é o trifosfato de adenosina, sal sódico, que apresenta um papel fundamental na transformação da energia biológica. O segredo da energia de todas as reações no corpo vivo é a energia cinética usada para a contração dos músculos e a energia química para o metabolismo - reside na combinação do ácido fosfórico e da adenosina. A transformação do trifosfato de adenosina (ATP) em difosfato de adenosina (ADP) é a forma da energia no organismo. O ATP é armazenado na medida em que o organismo necessita ele é mobilizado e transformado em ADP. Sua maior ou menor mobilização depende do maior ou menor gasto de energia que o organismo tenha que dispor. 

    INDICAÇÕES
    - Reprodutores muito solicitados na época da monta.
    - No esforço dispendido pelas fêmeas prenhas quando por ocasião do parto.
    - Animais de alta produção, que devido a isto, são mais predispostos ao stress.
    - Para aumentar a circulação cardíaca e preparação dos animais para as competições, nos treinamentos intensos, no esgotamento físico, como tônico neuro-muscular, nas dores muscular, sempre que for necessário aumentar o trabalho muscular, na taquicardia supra ventricular, para proporcionar ao animal uma reserva energética adicional.
    - É ainda indicado como adjuvante nos distúrbios da circulação periférica, tais como: arteriopatias, tromboartrites, flebopatias.
    - Animais que dispendem grande esforço físico, tanto no trabalho como em competições esportivas.
    - Condições de esforço anormais, no caso de animais que passarem várias horas atolados num brejo.

    MODO DE USAR E POSOLOGIA
    Recomenda-se doses diárias de 2 mL para cada 50 kg de peso, até o limite de 10 mL, por via venosa ou intramuscular durante 3 à 5 dias consecutivos.

    FÓRMULA
    Cada 10 mL contém: 
    Trifosfato sódico de adenosina............. 120 mg 
    Veículo q.s.p............................................. 10 mL

    APRESENTAÇÃO
    Frasco com 10 mL.

    VITAGOLD POTENCIADO

    TORTUGA CIA ZOOTÉCNICA AGRÁRIA

    Fórmula:
    Cada 1L contém:
    Vitamina A.....................................15.000.000 UI
    Vitamina D3.....................................4.000.000 UI
    Vitamina E..............................................1.000 mg
    Vitamina B1............................................4.000 mg
    Vitamina B2............................................1.500 mg
    Vitamina B6............................................2.000 mg
    Vitamina B12........................................4.800 mcg
    Nicotinamida.........................................10.000 mg
    Indicações:
    Em todos os casos em que se necessite a mudança na alimentação, alojamento e transporte, ambiente não favorável devido ao frio, vento, calor excessivo, vacinações e esgotamento.
    Dosagem:
    Com o auxilio de uma colher ou conta gotas, misturado a água ou leite. Doses diárias
    Bovinos - Bezerros 3 a 5 mL; Touros 5 a 10 mL; Vacas 5 a 10 mL em meses alternados da lactação.
    Suínos - 0,5 a 1 mL; Porcas e Cachacos 5 mL
    Equinos - Potros 3 a 5 mL; Garanhões e éguas 5 mL; Cavalos submetidos a esforço de corrida 10 mL
    Ovinos e Caprinos - 1 a 3 mL;
    Aves - Pintos até 30 dias 2 litros por mil; Pintos de 30 a 90 dias 1 litro por mil; Adultos 0,5 litors por mil.
    Cães - Grande porte e cadelas amamentando 40 gotas (2 mL); Médio porte 20 gotas (1 mL); pequeno porte e filhotes 10 gotas (0,5 mL); Cães idosos 20 gotas (1 mL)
    Gatos 10 gotas (0,5 mL) a 20 gotas (1 mL)
    Coelhos - Reprodução e Crescimento 40 gotas (2mL) por litro.
    Pássaros - nas épocas de mudas e reprodução, troca de viveiros etc 3 a 6 gotas por 100 mL.
    Administração:
    Via Oral
    Precauções:
    Conservar o frasco em local seco e fresco, ao abrigo da luz solar, fora do alcance de crinaças e de animais domésticos.
    Apresentação:
    Frasco de vidro âmbar de 50 e 250 mL
    Classe Terapêutica:
    VITAMINAS (FORMULAÇÕES PURAS E COMPLEXOS)
    Princípio(s) Ativo(s):
    VITAMINA A
    VITAMINAS DO COMPLEXO B
    VITAMINA B12 (CIANOCOBALAMINA)
    VITAMINA D
    VITAMINA E
    NICOTINAMIDA (VITAMINA PP)

    Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
    SP-00403-00018
    Responsável Técnico:
    Ricardo Leandro Cazes - CRMV: SP/5102
    Serviço de Atendimento ao Consumidor:
    0800-116262
    Declaramos para os devidos fins que todas as informações prestadas aqui são de inteira e exclusiva responsabilidade do proprietário do produto.


    FERRODEX

    Fórmula:
    Cada 100g contém:
    Ferro elementar (sob a forma de hidróxido férrico
    em complexo dextrânico)........................... 10,0g
    Veículo q.s.p........................................100,00 mL

    Indicações:
    Indicado na prevenção e tratamento da anemia provocada por deficiência de ferro (anemia ferropriva) em leitões, bezerros (terneiros) e cordeiros.

    Dosagem:
    Leitões:.................. 2mL no 3º dia de vida
    Bezerros*:.............. 4 mL
    Cordeiros*:............. 2 mL
    *Em dieta láctea exclusiva

    Administração:
    Somente por injeção intramuscular

    Precauções:
    Não aplicar em equídeos. Como qualquer injeção, usar equipamento estéril e obedecer às normas de assepsia.

    Apresentação:
    Frascos-ampolas âmbar com 10, 30, 50, 200 e 250 mL

    Classe Terapêutica:
    MINERAIS (FORMULAÇÕES PURAS E COMPLEXOS)

    Princípio(s) Ativo(s):
    FERRO

    Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
    2487/68
    Responsável Técnico:
    Ricardo Leandro Cazes - CRMV: SP/5102

    MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE

    Fórmula MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE:
    cada 100 mL contém:
    Monoglutamato de Sódio ................................................420 mg
    Cloridrato de L-Lisina ..............................................................1.000 mg
    Glicina .....................................................................................420 mg
    DL-Metionina ...........................................................................210 mg
    L-Leucina .................................................................................210 mg
    Cloridrato de L-Histidina ..........................................................210 mg
    L-Triptofano .............................................................................50 mg
    L-Valina ...................................................................................200 mg
    Cloridrato de L-Arginina ..........................................................200 mg
    Cloreto de Cobalto (Co Cl2.6H20)............................................13 mg
    Sulfato de Cobre (Cu SO4.5H2O) ............................................2 mg
    Iodeto de Potássio ..................................................................15 mg
    Cloreto de Zinco .....................................................................10 mg
    Cloreto de Sódio .....................................................................42 mg
    Hipofosfito de Cálcio ...............................................................1.500 mg
    Cloreto de Magnésio (Mg Cl2.2H2O)........................................210 mg
    Vitamina B12 ...........................................................................5.000 mcg
    Vitamina D2 .............................................................................2.000.000 UI
    Vitamina E ...............................................................................100 UI
    Veículo q.s.p. ..........................................................................100 mL

    Indicações MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE:
    MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE Estimula o metabolismo orgânico, aumentando a conversão alimentar. 
    MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE é suplemento de vitaminas, aminoácidos e sais minerais nas deficiências nutricionais.
    MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE é reconstituinte e revigorante orgânico, durante e após stress.
    MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE é adjuvante no tratamento de doenças infecciosas e parasitárias.

    Dosagem MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE:
    Bovinos ..............................................................10 mL
    Ovinos e caprinos ....................................................5 mL

    Administração MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE:
    Administrar MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE em injeções subcutâneas em dose única.
    Alterações na posologia e modo de usar a critério do Médico Veterinário.
    AGITAR ANTES DE USAR.

    Precauções MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE:
    Não existem problemas quanto ao uso do MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE conforme indicado.

    Apresentação MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE:
    Frascos de 100, 250, 500 e 1000 mL

    Classe Terapêutica MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE:
    COMPLEXOS

    Princípio(s) Ativo(s) MODIFICADOR ORGÂNICO VALLEE:
    COMPLEXOS VITAMÍNICOS, MINERAIS E AMINOÁCIDOS

    Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
    1924

    Responsável Técnico:
    GABRIEL ANDRADE PEREIRA FILHO - CRMV: 0510

    Serviço de Atendimento ao Consumidor:
    (0xx11) 5504 4333

    Declaramos para os devidos fins que todas as informações prestadas aqui são de inteira e exclusiva responsabilidade do proprietário do produto.

           TINTURA DE IODO PINUS 10 % 01LT PINUS

    Muito conhecido por sua qualidade, líder em vendas na categoria agropecuária, recomendado por veterinários e criadores. É um Antisséptico local, Antimicótico, Cicatrizante e Desinfetante. Sua ação à base de Iodo Metálico apresenta eficácia contra bactérias Gram positivas e Gram Negativas.

    GLUCONATO DE CÁLCIO

    Composição
    Gluconato de Cálcio??????????????18,38 g
    Glicose??????????????????????7,69 g
    Ácido Borico????????????????????2,3 g
    Bicarbonato de Sódio??????????????1,23 g
    Cloreto de Magnésio?????????????.?2,50 g
    Glicero-Fósfato de Sódio???????????.?1,5 g
    Veículo q.s.p??????????????????.?100 ml

    Apresentação
    Frasco 200ml

    Especies Indicadas
    Bovinos, Eqüínos, Suínos, Ovinos, Caprinos e Cães.

    Modo de Aplicação
    Por via subcutânea ou endovenosa lenta. 
    Bovinos e Eqüínos adultos - 200 ml /  Animais jovens - 50 ml e Pequenos animais 10 ml.

    Indicações
    Tratamento das hipocalcemias, Antes/durante e após o parto, nos casos de Fraturas,  Osteodistrofias, Paresias, durante a lactação e em casos de intoxicação.

    Modo de Ação
    O fósforo presente na fórmula tem por finalidade suprir as carências de origem alimentar e estimular o aparelho circulatorio.  
    o magnésio tem atuação no metabolismo celular.
    O fósforo juntamente com o magnésio, auxiliam na relação ? cálcio/fósforo e cálcio/magnésio que influenciam no desenvolvimento ósseo e nas reservas metabólicas de minerais.
    O cálcio é indispensável às funções orgânicas, especialmente na formação de tecido osseo, coagulação do sangue  e como regulador da atividade  neuro-muscular.

    FLOTRIL® 10%

    Resumo da Bula

    Fórmula:

    Cada 100mL de Flotril 10% contém: 

    Enrofloxacina 


    (ácido 1-ciclopropil-7-4-etil-1-piperazinil-6-fluoro-1,4-di-hidro-4 -oxo-3-quinolina- carboxílico) ..............10,0g 

    Veículo q.s.p............100,0mL 

    Indicações: 

    Flotril 10% é indicado nas infecções de bovinos, suínos, ovinos e caprinos, causadas por bactérias Gram-negativo e Gram-positivo, Espiroquetas e Mycoplasma, sensíveis à Enrofloxacina;

    Nas enterites bacterianas, diarréias e demais infecções digestivas causadas por Escherichia coli, Salmonella spp. 

    Nas Pneumonias e infecções respiratórias. 

    Nas infecções após o parto, das vias genito-urinárias, do umbigo, cascos e mastite causadas por Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Mycoplasma spp, Pasteurella spp e Escherichia coli. 

    Dosagem: 

    Dosagem terapêutica:
     2,5mg/kg do ingrediente ativo por quilo de peso, diariamente, uma vez ao dia. 

    Flotril 10% em bovinos, suínos, ovinos e caprinos: Aplicar 1,0mL para cada 40 kg de peso vivo, diariamente, durante 3 a 5 dias. 

    Flotril 10% nas infecções respiratórias complicadas, aplicar 1,0mL injetável para cada 20 kg de peso, diariamente, durante 5 dias (5mg/kg). 

    Obs.: Quando o volume de Flotril 10% a ser injetado for superior a 10 mL, aconselha-se dividir este volume em dois ou mais pontos de aplicação.

    Administração:

    Flotril 10%
     é Solução pronta para uso em aplicações intramuscular e subcutânea.

    Precauções: 

    Período de carência: 

    Ruminantes: 


    a) carne: 7 dias entre a última aplicação de Flotril 10% e o abate de animais para consumo humano. 

    b) leite: 3 dias entre a última aplicação de Flotril 10% e o aproveitamento do leite para consumo humano. 

    Suínos: 

    cinco dias entre a última aplicação de Flotril 10% e o abate dos animais para consumo humano. 

    Conservar Flotril 10% em local fresco e seco, ao abrigo dos raios solares, fora do alcance de crianças. 

    Venda de Flotril 10% sob prescrição e aplicação sob orientação do Médico Veterinário. 

    Apresentação: 

    Frascos-ampola de 10 mL.

    Classe Terapêutica:

    ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS)

    Princípio(s) Ativo(s):

    ENROFLOXACINO

    Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:


    3554 em 18/12/1990

    Fórmula do produto Antitóxico Mercepton:

    Cada 100 mL do produto Antitóxico Mercepton contém:
    Acetil DL-Metionina _______________________________ 5,00 g
    Cloreto de Colina ___________________________________ 2,00 g
    Cloridrato de Tiamina _______________________________ 1,00 g
    Cloridrato de Piridoxina ______________________________ 0,04 g
    Cloridrato de L-Arginina ______________________________ 0,60 g
    Riboflavina _________________________________________ 0,02 g
    Nicotinamida _______________________________________ 0,50 g
    Pantotenato de Cálcio ________________________________ 0,20 g
    Glicose ___________________________________________ 20,00 g
    Veículo q.s.p _______________________________________ 100 mL

    Indicações do produto Antitóxico Mercepton:
    O produto Antitóxico Mercepton é a associação de 3 notáveis agentes lipotrópico e antitóxicos, pelo estímulo das defesas do organismo contra agentes hepatotóxicos, adjuvados pela glicose, com a sua ação dinamogênica e também protetora do parênquima contra agentes nocivos e vitaminas do Complexo B que, ao mesmo tempo em que aumentam o mecanismo protetor natural, estimulam o poder transmetilante do fígado.
     pode-se usar o produto Antitóxico Mercepton como hepatoprotetor , antes ou depois dos tratamentos com endectocidas, endoparasiticidas ou ectoparasiticidas, favorecendo, dessa maneira a metilação das diferentes substâncias químicas, vindo a facilitar sua eliminação do organismo. 
    Também pode usar o produto Antitóxico Mercepton como imunoestimulante, nos períodos de vacinação, auxiliando na formação de anticorpos. 
    Também pode-se usar Antitóxico Mercepton como tratamento de suporte na recuperação do animal nos acidentes provocados pela ingestão acidental ou mesmo nas diluições incorretas de substâncias químicas letais (inseticidas, rodenticidas, plantas tóxicas, alimentos deteriorados). 
    E também pode-se usar Antitóxico Mercepton como agente lipotrópico, promovendo a conversão da gordura hepática em fosfolipídios, os quais podem ser transferidos mais rapidamente do fígado para o sangue, evitando assim, a esteatose hepática (degeneração gordurosa).

    Dosagem do produto Antitóxico Mercepton :
     Antitóxico Mercepton em animais de grande porte (bovinos e eqüídeos) de 20 a 100 mL / dia;
    Antitóxico Mercepton em animais de médio porte (potros, bezerros, caprinos, ovinos e suínos) de 10 a 30 mL / dia;
    Antitóxico Mercepton em animais de pequeno porte (cães, gatos, leitões) de 2 a 10 mL / dia.
    A duração do tratamento fica a critério do Médico Veterinário.

    Administração do produto Antitóxico Mercepton:
    Injeções intramusculares ou endovenosas.

    Precauções do produto Antitóxico Mercepton:
    Desinfetar o local da aplicação do produto. 
    Usar seringas e agulhas descartáveis ou esterilizadas.

    Apresentação:
    Frasco-ampola de 20 e 100 mL.

    Classe Terapêutica do produto Mercepton:
    OUTROS

    Princípio(s) Ativo(s):
    GLICOSE
    COMPLEXOS VITAMÍNICOS E AMINOÁCIDOS ANTITÓXICO

    Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
    0125 em 25/06/70

    Responsável Técnico do produto Mercepton:
    Drª Patricia Pedroso Porto - CRMV: RJ nº 3273

    Serviço de Atendimento ao Consumidor:
    21 2501-5858

    Declaramos para os devidos fins que todas as informações prestadas aqui são de inteira e exclusiva responsabilidade do proprietário do produto.

    GANADOL POMADA 50G

    Ganadol pomada cicatrizante e antiinfecciosa
    Ganadol uso Veterinário


    Descrição do produto Ganadol:

    Ganadol é uma pomada que reúne em sua fórmula a quimioterapia específica de certos agentes, o poder histopoiético e cicatrizante de outros, além de Ganadol também possuir antibióticos de alto poder bactericida e bacteriostático. São 3 os seus componentes principais:

    1) Uréia, um dos componentes principais de Ganadol, dissolve e elimina as secreções purulentas e os tecidos mortos, "limpando" a ferida e permitindo, deste modo, a ação profunda dos antibióticos sobre os germes da infecção.

    2) A Penicilina, outro componente principal de Ganadol, um antibiótico que tem ação predominante sobre determinados microrganismos, especificamente os germes gram-positivos como os estafilococos e os estreptococos, agentes comuns da supuração ou seja Streptococcus spp, Streptococcus pyogenes, Streptococcus epidermitis, Streptococcus aureus. 

    Ganadol também faz exercer essa ação sobre numerosos bacilos ( B. anthracis, Bacillus spp ) bem como Pasteurella e Corynebacterium. Ganadol cria, portanto, nas feridas, um meio altamente impróprio ao desenvolvimento da infecção.

    3) A Dihidroestreptomicina tem ação predominante sobre os germes gram-negativos, pouco sensíveis à penicilina (E. coli, Klebsiella, Salmonella, Shigella), Ganadol podendo, entretanto, atuar também sobre alguns organismos gram-positivos penicilino-resistentes (Staphylococcus, Actinobacillus). A associação com a penicilina é reconhecidamente sinérgica, isto é, produz maiores efeitos do que a soma dos resultados dos dois antibióticos isolados.

    Fórmula do produto Ganadol:

    Cada bisnaga de 50 g de Ganadol contém: 

    Penicilina G benzatina...................................................1.250.000 UI 
    Penicilina G procaína....................................................1.250.000 UI 
    Dihidroestreptomicina ( sulfato) ..............................................1,25 g 
    Uréia ............................................................................. 2,50 g 
    Excipiente q.s.p................................................................... 50 g

    Indicações do produto Ganadol:

    Ganadol deve ser usada em cortes, escoriações, nas feridas resultantes de castrações e outras operações, Ganadol deve ser usada também no tratamento de feridas infectadas e supurações de qualquer tipo em qualquer parte do corpo do animal.

    Aplicação do produto Ganadol:

    Lavar a parte doente com água morna pura. Fazer em seguida a aplicação de Ganadol em quantidade tal que recubra a ferida. Cobrir, se possível, com uma tira de gaze. Renovar o curativo todos os dias com as mesmas precauções até cicatrização completa.

    DIASTIN INJETÁVEL
    LABORATÓRIO CALBOS LTDA.

    Fórmula:
    Cada ml contém:
    Sulfadiazina Sódica.....................150,0 mg
    Trimetoprim....................................40,0 mg
    Veículo q.s.p....................................1,0 ml

    Indicações:
    Quimioterápico de potente ação bacteriostática ebactericida, atuando contra germes gram-negativos e gram-positivos, no combateas seguintes infecções causadas por germes sensíveis aos princípios ativos daformulação: Bovinos, eqüinos, ovinos e suínos: enterites infecciosas (cursos,diarréias) principalmente as salmoneloses, em geral resistentes aosantibióticos comuns. Também altamente indicado no tratamento das infecções dotrato respiratório (bronquite, traqueíte, broncopneumonia, pneumonias); dotrato uro-genital (pielonefrite, cistite, vaginite, metrite, retenção deplacenta, etc.). Em pequenos animais: Infecções gastrintestinais, respiratóriase urogenitais em cães e gatos.
    Dosagem:
    Bovinos e ovinos: 1 ml para cada 15 kg de peso vivo. Suínos:1 ml para cada 20 kg de peso vivo. Cães e gatos: 0,5 ml para cada 10 kg de pesovivo.
    Obs.: Não superar a dosagem de 30 ml por aplicação. Casopersistam os sintomas clínicos a aplicação poderá ser repetida após 48 horas oua critério do médico veterinário.

    Administração:
    Uso injetável. Aplicação intramuscular ou subcutânea (agitarantes de usar).
    Precauções:
    Suspender a medicação 5 dias antes do abate para consumohumano. Não consumir o leite de animais tratados antes de decorridas 72 horasda última aplicação.
    CONTRA INDICAÇÕES: Em animais sensíveis aos componentes dafórmula.

    Apresentação:
    Frasco-ampola com rolha perfurável, de 20 e 100 ml
    Classe Terapêutica:
    ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS(COCCIDIOS, FLAGELADOS)
    Princípio(s) Ativo(s):
    SULFONAMIDAS
    TRIMETOPRIMA

    Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária eAbastecimento:
    1889
    Responsável Técnico:
    Dra. Luciane Romanzini Brock - CRMV: CRF-PR 6263
    Serviço de Atendimento ao Consumidor:
    0800-6458218
    Declaramos para os devidos fins que todas as informaçõesprestadas aqui são de inteira e exclusiva responsabilidade do proprietário doproduto.

    Suplemento Energetico Energysi H - 150 g 150 gIndicações:
    É indicado para bovinos, caprinos e ovinos para reposição de eletrólitos e energia.

    Composição básica do produto:
    Aroma de Leite, Cloreto de Cálcio, Sulfato de Magnésio, Cloreto de Potássio, Cloreto de Sódio, Maltodextrina, Vitamina B1, Vitamina B2, Vitamina B3, Vitamina B6, Vitamina B12 e Veículo q.s.p.

    Níveis de garantia por kg do produto:
    Cálcio (mín. / máx.).....................................................................66 / 68 mg
    Sódio............................................................................................2.500 mg
    Potássio..........................................................................................1000 mg
    Magnésio...........................................................................................25 mg
    Vitamina B 1......................................................................................200 mg
    Vitamina B 2......................................................................................100 mg
    Vitamina B3....................................................................................2.000 mg
    Vitamina B 6.......................................................................................20 mg
    Vitamina B 12................................................................................2.000 mcg

    Posologia e modo de uso:
    Diluir 150 g de Energysi H em 2 litros de água e fornecer à vontade aos animais, durante 3 a 5 dias.
    Alterações na posologia e modo de uso a critério do Técnico Especializado.

    Apresentação:
    Sachê com 150 g e embalagem com 5 kg.

    Resumo da Bula BORGAL
    Fórmula:
    Cada 100 mL de BORGAL contém:
    Sulfadoxina ............................................................................20 g 
    Trimetoprim .............................................................................4 g 
    Veículo q.s.p. .....................................................................100 mL

    Indicações do produto BORGAL:
    O produto BORGAL é indicado no combate as Doenças infecciosas bacterianas primárias e infecções bacterianas secundárias no decurso de doenças provocadas por vírus em bovinos, equinos, suínos, ovinos e cães tais como:
    BORGAL em BOVINOS:
    Pneumonia e Infecções respiratórias (Staphylococcus aureus, Streptococcus spp, Pasteurella multocida, Haemophilus spp); Enterites (Escherichia coli, Salmonella spp); Actinobacilose (Actinobacillus spp); Listeriose (Listeria spp); Nefrites, Abcessos, Piodermites, Cistites (Streptococcus spp, Staphylococcus spp, Corynebacterium spp, Klebsiella spp, Proteus mirabilis); Mastites (Enterobacter aerogenes, Streptococcus spp, Staphylococcus aureus, Corynebacterium pyogenes); Onfaloflebite (Streptococcus spp, Staphylococcus spp); Pododermatite (Fusobacterium necrophorum, Staphylococcus aureus e Streptococcus spp).

    BORGAL em EQUINOS:
    Pneumonia e Infecções respiratórias (Staphylococcus aureus, Streptococcus spp, Pasteurella multocida, Haemophilus spp); Enterites (Escherichia coli, Salmonella spp); Nefrites, Abcessos, Piodermites, Cistites (Streptococcus spp, Staphylococcus spp, Corynebacterium spp, Klebsiella spp, Proteus mirabilis); Mastites (Enterobacter aerogenes, Streptococcus spp, Staphylococcus aureus, Corynebacterium pyogenes); Onfaloflebite (Streptococcus spp, Staphylococcus spp).

    BORGAL para SUÍNOS:
    Enterites (Escherichia coli, Salmonella spp); Broncopneumonia (Staphylococcus aureus, Streptococcus spp, Klebsiella spp); Poliartrite Infecciosa (Haemophilus parasuis); Erisipela (Erysipelotrix rusiopathiae); Rinite atrófica (Bordetella bronchiseptica); Síndrome MMA (Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Corynebacterium spp); Nefrites, Metrites, Cistites, Abcessos (Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Corynebacterium pyogenes); Pododermatite; (Fusobacterium necrophorum, Staphylococcus aureus e Streptococcus spp).

    BORGAL para OVINOS / CAPRINOS:
    Broncopneumonia (Staphylococcus aureus, Streptococcus spp, Klebsiella spp); Enterites (Shigella spp, Escherichia coli, Salmonella spp); Pneumonia (Pasteurella multocida, Haemophilus spp); Actinobacilose (Actinobacillus spp); Nefrites, Cistites, Mastites, Abcessos, Piodermites, (Streptococcus spp, Staphylococcus spp, Corynebacterium pyogenes, Pseudomonas spp, Proteus spp); Foot-Root (Fusobacterium necrophorum).

    BORGAL para CÃES:
    Enterites (E. coli, Salmonella spp); Pneumonia (Pasteurella sp, Klebsiela spp); Metrite (Klebsiela spp, Staphylococcus spp, Streptococcus spp); Artrite (E. Coli, Salmonella spp); Feridas infecciosas (Staphylococcus sp, Streptococcus spp, E. coli) na prevenção das infecções pós-cirúrgicas e pós-parto.

    BORGAL para AVES:
    Borgal é indicado na profilaxia e tratamento curativo das infecções bacterianas por germes Gram-positivos e Gram-negativos sensíveis ao espectro da Sulfadoxina/Trimetoprima: Colibacilose, Cólera Aviária (Pasteurelose), Tifo Aviário (Salmonella gallinarum), Pulorose (Salmonella pullorum).
    Para prevenir as infecções secundárias por vírus. No tratamento auxiliar das complicações da Doença Crônica Respiratória ? DCR (Mycoplasma spp). No tratamento da Coriza Infecciosa (Haemophilus gallinarum) e suas complicações.
    Dosagem do produto BORGAL:
    A dose de referência do produto BORGAL para todos os animais é de 10-15 mg/kg de peso, em relação ao teor do princípio ativo de BORGAL.

    Via de Aplicação BORGAL
    Uso de BORGAL  interno, com aplicação em bovinos e suínos pelas vias intravenosa, intramuscular ou subcutânea; nos equinos, ovinos e cães pelas vias intravenosa ou intramuscular e em aves, aplicação intramuscular.

    Dosagem BORGAL

    De 10 a 15 mg/kg de peso do produto BORGAL, em dose única. 
    Obs.: Em aves (poedeiras comerciais e matrizes), devem ser feitas 2 doses de BORGAL, com intervalos de 24 horas (0,1 mL/kg de peso).

    Cuidados e precauções com o uso do BORGAL
    Período de carência:  
       Carne: 5 dias. 
       Leite: 24 horas ou 1 ordenha.

    Apresentação:
    Frascos do produto BORGAL de 5, 10, 50 e 100 mL. 


    POLIJET INJETAVEL 500ML

    Soro Energético

    Polijet - Terapia energética, eletrolítica e anti-tóxica. 

    Frutose - fração energética do Polijet. Açúcar que é prontamente utilizado e com maior capacidade de armazenagem no fígado, sob a forma de glicogênio, do que a glicose.
    Diversos trabalhos comprovaram que a frutose é mais eficiente do que a glicose nas lesões do hepatócito (célula do fígado) provocadas por agentes tóxicos.
    Bicabornato de sódio, Cloreto de sódio, Cloreto de potássio, Cloreto de magnésio e Cloreto de cálcio - fornecem os íons sódio, potássio, magnésio e cálcio, que são indispensáveis ao metabolismo.
    Indicado nos casos de desidratação, hemorragia, ferimentos extensos, queimaduras e outros processos em que há grande perda de líquido tissular e que necessitam ser imediatamente repostos.

    Vitaminas B-1, B-2, B-6, B-12, Nicotinamida e Inositol - fração anti-tóxica do POLIJET.
    As vitaminas de complexo B fazem parte de inúmeros sistemas enzimáticos sendo absolutamente indispensáveis ao metabolismo animal. Muitas substâncias tóxicas impedem a absorção destas vitaminas a nível intestinal, reduzindo-se, portanto o seu aporte e conseqüentemente fica reduzida a armazenagem por parte do fígado.
    As vitaminas do complexo B, além de muitas funções metabólicas, exercem importante papel anti-tóxico.

    INDICAÇÕES
    - Nas doenças infecciosas e parasitárias que provocam "estresse" nos animais acometidos
    - Animais de alta produção que, devido a isto, são mais predispostos ao estresse.  É o caso das vacas de alta produção leiteira.
    - Animais que dispendem grande esforço físico tanto no trabalho como em competições esportivas (cavalo de trabalho ou de corridas)
    - Condições de esforço anormais, como no caso animais que passam varias horas atolados num brejo.
    - Nos concursos leiteiros, com a finalidade de aumentar a quantidade de leite obtido nas ordenhas.
    - No esforço dispendido pelas fêmeas prenhas quando por ocasião do parto
    - Reprodutores muito solicitados na época de monta
    - Durante as cirurgias e para acelerar a recuperação no pós-operatório
    - Em todos os casos em que ocorre desidratação
    - Nos casos de intoxicação em geral

    POSOLOGIA
    Animais de grande porte. . . . . . . . . .500 mL a 1 litro
    Animais de médio porte. . . . . . . . . ..250 a 500 mL
    Animais de pequeno porte·. . . . . . .. ..50 a 250 mL
    Mudanças na posologia a  critério do médico veterinário.

    MODO DE USAR
    Via endovenosa, subcutânea ou intraperitonial

    FÓRMULA
    Cada 500 mL contém:
    Frutose . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .50,00 g
    Cloreto de sódio. . . . . . . . . . . . . . . .4,30 g
    Cloreto de potássio . . . . . . . . . . . . ...0,42 g
    Cloreto de cálcio . . . . . . . . . . . . . . .0,12 g
    Cloreto de magnésio . . . . . . . . . . . .....0,10 g
    Bicarbonato de sódio.   . . . . . . . . . .....0,24 g
    Vitamina B-1 .. . . . . . . . . . . . . . . . . 0,02 g
    Vitamina B-2. . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,06 g
    Vitamina B-6 . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,03 g
    Vitamina B-12 . . . . . . . . . . . . . . . . . 8.000 mcg
    Nicotinamida.  . . . . . . . . . . . . . . . . .2.000 mg
    Inositol. . . . . ..  . . . . . . . . . . . . . 4.000 mg
    Água destilada.... q.s.p. . . . . . . . . . ...500 mL

    APRESENTAÇÃO
    Frasco contendo 500 mL. 
    Acompanha equipo com agulha